Conectado por

DJ90

Geral

UFRJ: aulas presenciais só serão retomadas com vacina ou medicação contra Covid-19

Publicado por

em

A UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, informou que se não houver alternativas, como uma vacina ou um medicamento eficaz contra a Covid-19, o retorno presencial das aulas não será possível em 2020. Já são 90 dias de atividades presenciais suspensas na instituição. Em nota divulgada nesta segunda-feira (15), a direção da Universidade afirmou que avalia alternativas para que os alunos não percam o ano.

 

A UFRJ criou um Grupo de Trabalho Pós-Pandemia para estudar as fases de um retorno gradual e definir os cuidados necessários à condução segura das atividades. Também foi constituída a Comissão de Formas Alternativas de Ensino, para analisar as demandas necessárias para a retomada das atividades acadêmicas de graduação, pós-graduação e extensão. Segundo a nota, em breve, serão propostas as fases para o retorno progressivo na pós-pandemia.

 

O anúncio de que a retomada vai depender de uma vacina ou medicação contra o coronavírus repercutiu entre os alunos. Mesmo com o primeiro semestre praticamente perdido, Leonardo Campos, estudante do sexto período de Ciências Contábeis, concorda com a decisão da Universidade.

 

Aluno do sexto período de Ciências Contábeis da UFRJ, Ricardo Pereira, também considera a decisão acertada. O estudante afirma que a situação causa apreensão e torce para que seja possível estruturar o ensino à distância.

 

A nota da UFRJ reconhece que ainda resta muita incerteza sobre quando ou como ocorrerá o retorno presencial, mas destacou que tem agido de maneira responsável, sempre baseada em critérios técnico-científicos, desde o início da pandemia da Covid-19.

 

A UFRJ ressaltou ainda as ações para a população do estado durante esse período de pandemia. Nesses três meses, a instituição realizou mais de 12 mil testes diagnósticos para detecção do novo coronavírus; atendeu mais de 600 pacientes com Covid-19 nos hospitais universitários, além de ter renovado leitos de CTI e enfermarias.

Fonte: Ag. Brasil