Conectado por

DJ90

Nacional

Saga da GameStop deve reacender fiscalização sobre fundos de hedge

Publicado por

em

Com os fundos de hedge no centro do drama do mercado pela segunda vez em menos de 12 meses, a saga da GameStop provavelmente acelerará uma reformulação regulatória do papel cada vez maior que as instituições financeiras não bancárias desempenham nos mercados financeiros, afirmam especialistas.

Já se esperava que a fiscalização do setor financeiro não bancário ocupasse um lugar de destaque na agenda da recém-nomeada secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, depois que a desalavancagem dos fundos de hedge contribuiu para uma turbulência no mercado de títulos do tesouro dos EUA em março de 2020.

Mas o setor deve atrair muito mais atenção depois que um frenesi de compras de ações da varejista de videogames GameStop e de outras empresas por investidores pessoa física prejudicou vários fundos de hedge que haviam apostado contra as empresas e levou corretoras a restringir as negociações das ações afetadas.

O episódio pareceu desencadear volatilidade em todo o mercado financeiro, à medida que os fundos de hedge correm para cumprir suas obrigações para encerrar posições negativas, negociando o maior volume de ações desde 2009, de acordo com uma análise do Goldman Sachs.

A ação dos investidores de varejo destacou a enorme pegada de instituições não bancárias que negociam ações, particularmente a Citadel Securities, que responde por mais de 20% de todos os volumes de ações dos EUA e cerca de 39% de todo o volume de varejo listado no país, de acordo com seu site. O peso levantou questões sobre o poder de mercado da empresa.

“Já se esperava que Washington examinasse vários mercados financeiros não bancários, mas este episódio aumenta a urgência”, escreveu Isaac Boltansky, diretor de pesquisa política da Compass Point Research & Trading em nota. “A Citadel Securities certamente fará parte da conversa.” Uma porta-voz da Citadel Securities não comentou o assunto.

Após a crise financeira de 2009, o Congresso dos EUA impôs regras rígidas aos bancos, empurrando atividades mais arriscadas para setores menos regulamentados, como gestoras de ativos e fundos de investimento privado.

Em resposta, o Conselho de Supervisão da Estabilidade Financeira (FSOC) do Tesouro dos EUA iniciou uma revisão do setor de gestão de ativos e, em 2016, alertou que os fundos de hedge alavancados poderiam causar instabilidade durante momentos de estresse no mercado caso fossem forçados a realizar vendas.

O FSOC disse que continuará monitorando os riscos dos fundos de hedge, incluindo alavancagem, e abordaria pontos cegos de dados, mas, meses depois, o governo do ex-presidente Donald Trump encerrou o projeto, de acordo com Yellen e registros públicos.

Com um governo democrata agora no poder e uma nova safra de reguladores prestes a assumir, os defensores da regulamentação esperam que o Tesouro reinicie este projeto.

“Este é um momento decente para recuar e pensar sobre quais atividades de negociação os reguladores do sistema financeiro deveriam realmente se preocupar de uma perspectiva sistêmica mais ampla”, disse Gregg Gelzinis, especialista no setor em Washington.

A Managed Funds Association, que representa o setor, não comentou as oscilações recentes do mercado, mas disse que os investimentos em fundos de hedge ajudam os fundos de pensão e outros investidores institucionais a gerenciar riscos e gerar retornos.

Os fundos de hedge não serão os únicos em destaque da fiscalização. Os fundos abertos e os fundos do mercado monetário, que também cresceram em importância sistêmica, já estão sendo analisados internacionalmente pelo Conselho de Estabilidade Financeira global.

“Precisamos de melhor supervisão do setor financeiro não bancário, para garantir que temos regras e proteções que criem um sistema financeiro que sirva à economia”, disse Gelzinis.

O Tesouro dos EUA não respondeu a um pedido de comentário, mas Yellen tem sido uma forte defensora do trabalho do FSOC e disse anteriormente que a turbulência do mercado de títulos do Tesouro em março mostrou que os riscos que o FSOC identificou eram “reais e sérios”.

Em 2020, o valor líquido agregado dos ativos dos fundos de hedge dos EUA era de 2,9 trilhões de dólares, mas levando em consideração a alavancagem, os ativos brutos eram de 6,3 trilhões, disse o FSOC. Embora a alavancagem agregada fosse relativamente pequena, grande parte dela estava concentrada entre um pequeno número de fundos, conforme o FSOC descobriu em 2016.

Fonte: Exame

Todos os direitos reservados para @noticiasderondonia.com.br - noticias@noticiasderondonia.com.br