Conectado por

Nacional

Porta-voz dos bombeiros de MG detona coach que conduziu escalada em São Paulo

Uma trilha conduzida pelo coach e influencer Pablo Marçal ao Pico dos Marins, em Piquete (SP), gerou uma série de críticas do Corpo de Bombeiros. Até o porta-voz da corporação em Minas Gerais endossou o coro e reprovou a expedição.

Na avaliação de Pedro Aihara, que já atuou em resgates como o desastre de Brumadinho – tragédia que deixou 270 mortos após o rompimento de uma barragem de rejeitos -, o coach foi irresponsável ao colocar a vida de dezenas de pessoas em risco, já que escalou a quarta montanha mais alta de São Paulo, com 2,4 mil metros de altitude, sem estrutura adequada.

Além disso, as condições climáticas não favoreciam a expedição. A recomendação dos bombeiros é de que o local somente seja explorado no período de seca. Como resultado da trilha, 32 pessoas lideradas por Marçal tiveram que ser resgatadas pelos bombeiros. Outras 28 que começaram a aventura não conseguiram chegar no topo do pico e desistiram no meio do caminho.

Aihara não perdoou e teceu críticas contra o coach. “Um ‘coach’ irresponsável fanfarrão coloca 60 pessoas pra subir o pico do Marins debaixo de chuva. Sem conhecimento técnico, sem suporte adequado, sem estrutura. Porque, segundo ele, é tudo emocional”, disparou o porta-voz dos bombeiros de Minas em uma rede social.

O militar destacou que os agentes paulistas tiveram que ser acionados para resgatar o grupo. O trabalho de socorro durou aproximadamente oito horas. “Não satisfeito em colocar todas essas pessoas em risco altíssimo, o cara ainda paga de gatão nas redes sociais e sequer cita o fato de terem sido resgatados pelos irmãos do Corpo de Bombeiros de SP e ainda aproveita pra vender a imersão/curso dele como se tivesse tudo certo”, disparou.

Outro lado

Em uma rede social, onde acumula mais de dois milhões de seguidores, Pablo Marçal mostrou as dificuldades de escalar o Pico do Marins e questionou os seguidores: “você teria coragem de subir uma montanha nessas condições”?. Depois de tomar conhecimento das críticas, ele ironizou e postou uma foto do grupo que completou a trilha. Afirmou que o Corpo de Bombeiros foi acionado por precaução.

“Decidi chamar o bombeiro porque perdemos a comunicação por rádio com o grupo que ficou na base do pico. Mas descobrimos no outro dia que estavam todos em paz com o guia deles”, escreveu. Ele ainda alfinetou os militares ao publicar uma imagem com os dizeres: “só os irresponsáveis chegam no topo”.

Em vídeo postado na mesma rede social, o coach analisou: “a vida não é um voo, é uma aventura. A vida é uma aventura, e os voos você determina a quantidade de bagagem que você quer levar, as pessoas que você quer levar, o tanto de combustível que você quer levar. Você precisa determinar isso”.

Sobre a ocorrência de precaução, fato citado por Marçal, os bombeiros de São Paulo destacaram que não atuam com precaução, já que atendem ocorrências de emergência. Aihara também se manifestou sobre a afirmação do coach. “Bombeiros são um serviço de urgência e emergência, não de ecoturismo ou de guia de trilha. É um serviço técnico, especializado, com atribuições legais bem definidas, pago com imposto da população. A pessoa que aciona o 193 desnecessariamente ou que gera uma ocorrência que poderia ser evitada presta um desserviço à população”.

Fonte: O tempo

Mais notícias