Conectado por

DJ90

Geral

Ministro da Saúde apresenta orientações para isolamento social nos estados

Publicado por

em

O Ministro da Saúde Nelson Teich apresentou nesta segunda-feira (11) as linhas gerais da estratégia de gestão de risco para estados e municípios adotarem o isolamento social.

 

A proposta trabalha com quatro eixos: capacidade instalada do serviço de saúde, como leitos ocupados; indicadores epidemiológicos; velocidade de crescimento da doença e a mobilidade urbana.

 

Com os indicadores de cada eixo, as localidades serão classificadas em níveis de distanciamento, prevendo medidas graduais de isolamento seletivo ou também chamado de vertical; ampliado ou horizontal; até a restrição máxima, também conhecida como lockdown.

 

Teich afirmou que a diretriz deve ser aplicada em cada local, para que estados e municípios possam adotar as estratégias locais de enfrentamento ao coronavirus através do isolamento social.

 

Os detalhes da proposta não foram divulgados. A versão final do documento deve ser apresentada na quarta-feira, após reunião com os secretários estaduais e municipais de saúde, que ainda não deram aval ao texto.

 

O ministro também propôs uma nova abordagem mais precoce do coronavírus, que reduza a infecção na parte mais crítica, evitando a necessidade de internação e da respiração mecânica, que é o grande entrave hoje.

 

Teich afirmou que o Ministério da Saúde não proíbe o uso dos medicamentos que estão sendo testados, mas ainda não recomenda a utilização de nenhum medicamento pela falta de testes clínicos.

 

O ministro ainda disse que o Brasil deve fazer parte de um grupo de países que vão testar a vacina para Covid-19.

 

Segundo dados divulgados pelo o Ministérios da Saúde, já foram repassados R$ 5 bilhões para estados e municípios tratarem infectados pelo coronavírus. Além disso, foram repassados outros R$ 33 bilhões, recursos rotineiros de custeio do SUS.

 

Até o final de maio, 2,6 mil respiradores produzidos por empresas brasileiras serão entregues nos locais definidos como prioritários.

Fonte: Ag. Brasil