Conectado por

DJ90

Nacional

Médica faz relato da rotina em cidade onde colapso na saúde se aproxima

Publicado por

em

“Todo dia descobrimos algo novo sobre essa doença, mas posso dizer que o prognóstico é sombrio”. É assim que a médica Eduarda Barata, residente em infectologia em Recife, Pernambuco, classifica a Covid-19. Eduarda cursa a residência no Hospital Universitário Oswaldo Cruz – referência no Estado no combate à pandemia – e atende no Hospital Estadual Correia Picanço e em um dos seis hospitais de campanha montados na capital pernambucana, além de atuar também na rede privada.

Na linha de frente no combate à pandemia, a médica trabalha diretamente com pacientes infectados pelo novo coronavírus e precisa lidar, diariamente, com um sistema de saúde à beira do colapso.

Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, a doença já matou 415 pessoas e deixou ao menos 4.898 infectadas em Pernambuco. O Estado é o quarto com o maior número de casos (atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará) e o terceiro em número de mortes do país. Os leitos de UTI disponíveis estão quase totalmente ocupados, chegando a uma taxa de 97% de ocupação.

“Se o sistema de saúde, e aí eu não falo só de Recife, mas de toda região metropolitana, ainda não colapsou, ele está próximo disso. Eu comecei há pouco tempo a trabalhar em um dos hospitais de campanha e vejo que muitos pacientes não conseguem chegar aos hospitais de referência a tempo, acabam indo para os de campanha com uma gravidade muito alta, que aí, seja onde for que ele estiver, a gente não conseguiria reverter (o quadro)”, avalia. 

“Na enfermaria do Oswaldo Cruz, temos pouco mais de cem leitos destinados a pacientes com Covid-19, 90% deles estão confirmados com a doença e esse número aumenta gradativamente. Existe uma fonte ‘infinita’ de doentes com um potencial absurdo de gravidade chegando todos os dias”, completa a médica.

Segundo ela, as UTIs também estão lotadas e a fila de espera cada vez maior. O hospital criou um serviço de regulação para lidar com a situação, mas escolher qual paciente deve ocupar o leito não é tarefa fácil.   “Eu não tenho nem palavras para descrever o quanto isso é difícil. Quem tem esse direito de escolher quem merece ou não o investimento? Mas cada vez mais essa é a nossa realidade”, lamenta. 

Não há consenso

Perguntada sobre a real gravidade da infecção, a residente afirma que nem entre os infectologistas mais experientes, que viveram outras grandes epidemias, há um consenso a respeito, mas ela garante que o estágio mais grave da doença é devastador. 

“A doença ainda é um mistério. Todos os dias saem diversos artigos a respeito, e se juntarmos todos não conseguimos falar sobre ela por 10 minutos. O que sabemos é que ela provoca um quadro respiratório muito grave, pois é isso que está matando pessoas e não apenas por falta de estrutura, mas também porque a doença é traiçoeira, ela começa de mansinho, mas quando ela piora é de uma vez só e, muitas vezes, mesmo você tendo tudo nas mãos, não tem mais o que fazer”, conta. 
 
Para a médica, a falta de informações sobre o comportamento da enfermidade é um dos grandes problemas que médicos enfrentam.

“Essa dificuldade é que torna o paciente tão difícil de manejar, pois a gente ainda não sabe qual é o momento chave para intervir antes que ele fique absurdamente grave. E o quadro da Covid-19 é um pouco diferente de outras doenças que também causam síndrome respiratória grave. Essa velocidade da evolução é  o que a gente ainda não entende o porquê e que  nos deixa de mãos atadas”, explica a médica, ao citar que muitos pacientes estão dando entrada nos hospitais e falecendo com menos de 24 horas.  
 
Jornada, estresse e medo

Eduarda Barata conta que ela e seus colegas tiveram suas rotinas modificadas e um aumento significativo na jornada de trabalho devido à pandemia.

“Todo mundo está com a carga horária bem mais pesada, porque precisa de gente para atender esses pacientes. Fora os profissionais que também estão adoecendo e sendo afastados”, conta.

Além da alta jornada, os profissionais precisam lidar com o risco e o medo de contaminação. 

“Todos os dias alguém precisa ser afastado, todo dia tem um buraco na escala. Eu não tive nenhum colega próximo a ficar grave, mas escutamos relatos diariamente de profissionais que perderam a vida ou estão internados”,relata a médica que chegou a ser afastada por cinco dias com suspeita de estar com a doença.

Segundo o último boletim da Secretaria de Estado de Saúde de Pernambuco, 1.488 profissionais de saúde tiveram exame positivo para Covid e outros  982 casos foram descartados. A pasta reitera que Pernambuco foi o primeiro estado a criar protocolo para testagem de profissionais da saúde. 

EPIs

Eduarda também comenta que a falta de equipamentos de segurança necessários é uma realidade. “Os aventais de proteção estão em falta é o nosso maior desafio, tanto que as recomendações de uso mudaram e alguns protocolos foram flexibilizados, o que gerou muito conflito principalmente entre os sindicatos. É uma questão sensível, pois é nossa proteção que está em jogo, mas realmente não tem aventais suficientes e por isso é preciso traçar estratégias de racionalização”, comenta.

A médica cita que o clima é de tensão entre os profissionais de saúde e que “de uma maneira geral estão todos com os nervos à flor da pele”. “É uma tensão constante. Pelos colegas doentes, pelos pacientes graves, pelo receio de ser o próximo. Pelo receio de estar levando pra dentro de casa isso e colocando em risco a sua família.Conheço gente que até se mudou para não colocar a família em risco. A carga emocional está muito grande. Cada vez que alguém tosse, as pessoas se assustam no hospital”, ressalta a médica. 

“Eu sou médica e infectologista. Escolhi minha profissão sabendo que estaria sempre expostas a muitas doenças. Todo mundo que trabalha salvando outras pessoas tem essa exposição. Eu preciso manter a calma para exercer meu trabalho”, conclui.

Por nota, o Governo de Pernambuco informou que  “não tem medido esforços para ampliar a rede de enfrentamento ao Covid-19 no Estado.” De acordo com o governo, já foram criadas, até agora, 712 vagas exclusivas para a doença na rede pública estadua e tambem foi adotado um cronograma constante de abertura de novos leitos em todos Estado.

A Prefeitura de Recife informou, por meio de nota, que já foram abertos seis hospitais de campanha. Segundo a administração municipal, desde o início da pandemia, um total de 2124 pacientes foram atendidos nesses hospitais de campanha, além de já ter registrado 460 altas nesses novos leitos. Na última terça-feira (21), o prefeito Geraldo Júlio (PSB) anunciou a aquisição de 2 milhões de novos EPIs e também a contratação de mais 1346 profissionais para o combate à covid-19.

 

Fonte: O tempo

Publicidade