Conectado por

Nacional

Caminhões autônomos são testados nos EUA

Por Keith Laing, da Bloomberg

Empresas de navegação e desenvolvedores de software estão experimentando caminhões autônomos como forma de resolver a escassez de motoristas agravada pela pandemia de covid-19, atraindo críticas de defensores da segurança que consideram a tecnologia um risco para os motoristas.

JB Hunt, a divisão de cargas da Uber e FedEx estão entre os operadores testando grandes plataformas automatizadas, pois a falta de motoristas intensificou o aperto da cadeia de suprimentos dos Estados Unidos.

Embora os caminhões autônomos ainda estejam longe de obter aprovação regulatória, pioneiros da tecnologia os veem como uma solução de longo prazo para um problema trabalhista cada vez mais intratável.

“Os motoristas humanos precisam comer, dormir e fazer pausas”, disse Sterling Anderson, cofundador da Aurora Innovation, que começou a testar o software de caminhões sem motorista no mês passado no Texas com a logística da Uber. “Isso leva a uma enorme subutilização desses caminhões e um movimento muito mais lento de mercadorias.”

Defensores da segurança dizem que a tecnologia ainda não foi comprovada e pode levar a mais acidentes fatais, já que 12,6% de todos os acidentes nas estradas dos EUA em 2020 envolveram um caminhão grande, de acordo com a Administração Nacional de Segurança no Trânsito Rodoviário.

As empresas de tecnologia estão realizando testes para demonstrar que os caminhões sem motorista são a solução de longo prazo. A TuSimple disse que o primeiro semicaminhão totalmente autônomo dirigiu em vias públicas abertas no dia 22 de dezembro, viajando 80 milhas sem motorista humano.

A indústria de caminhões diz que está 80.000 motoristas aquém do necessário para atender à demanda, e esse número deve crescer. A American Trucking Associations diz que o setor empregou 3,36 milhões de motoristas em 2020, uma queda de 6,8% em relação aos 3,5 milhões em 2019.

Aumentos de preços

Ariel Wolf, conselheiro geral da Self-Driving Coalition, que representa empresas como Ford, Uber, Lyft e Waymo, afirmou que os caminhões autônomos podem auxiliar empresas que estão tentando resolver a escassez de motoristas de caminhão.

“Tem de ser seguro, mas temos de colocar esses veículos na estrada o mais rápido possível”, disse, acrescentando que a escassez de caminhoneiros deve continuar crescendo, levando a aumentos de preços e atrasos.

Wolf rejeitou as críticas de grupos de segurança sobre o aumento de acidentes. Ele apontou dados que mostram que 94% dos acidentes nas estradas dos EUA são causados por erro humano.

Trabalhadores

Líderes trabalhistas dizem que os legisladores precisam abordar o impacto na segurança e na força de trabalho antes de permitir que caminhões automatizados sejam amplamente utilizados.

“Seríamos ingênuos em pensar que poderíamos parar o avanço tecnológico. Esse nunca foi nosso objetivo”, disse Greg Regan, presidente do Departamento de Comércio de Transportes da AFL-CIO. “Mas temos que garantir que seja implementado de maneira segura e temos de ter certeza de que também estamos analisando o impacto econômico disso.”

“Se os veículos autônomos podem realmente cumprir suas promessas de segurança, eles ainda precisam provar que vão fazer nossa economia para os trabalhadores”, disse John Samuelsen, presidente internacional da Sindicato dos Trabalhadores do Transporte.

Fonte: Exame

Mais notícias