Conectado por

DJ90

Nacional

Vídeo de hospital do AM mostra ala cheia de corpos ao lado de pacientes

Publicado por

em

Um vídeo gravado no hospital estadual João Lúcio, em Manaus, mostra corredores e salas com corpos à espera de remoção ao lado de pacientes e macas no chão. A capital é a única cidade com UTI no Amazonas, o estado com a mais alta taxa de incidência do novo coronavírus do país.

Na imagem, de pouco mais de um minuto e aparentemente gravada por uma funcionária, há 10 corpos dentro de sacos mortuários ou sob cobertas e 11 pacientes. Alguns pacientes estão na mesma sala do que mortos, e duas pessoas aparecem sob macas perto do chão. Só se vê um leito vazio.

 

O local das imagens foi corroborado por três fontes independentes. Além disso, é possível ver o nome do hospital em dois avisos afixados em macas. Uma das fontes indicou que o vídeo foi gravado nesta quarta-feira (15).

O hospital de referência do estado, Delphina Aziz, já está com a capacidade máxima, segundo relato obtido pela reportagem. Com isso, outros hospitais estaduais têm recebido pacientes com Covid-19, entre os quais o hospital João Lúcio.

O Amazonas registrou mais 165 casos e 18 óbitos nas últimas 24h. Com isso, o estado chegou nesta quinta-feira (16) a 1.719 registros do novo coronavírus, com 124 mortos.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) informou que os 14 óbitos ocorridos no hospital João Lúcio entre a noite de quarta e o início da manhã desta quinta-feira foram de pacientes suspeitos de Covid-19. “Dos 14 óbitos, 5 já haviam sido liberados até às 17h desta quinta-feira e 9 aguardavam os familiares com as declarações de óbito.”

“A Susam informa, ainda, que o Hospital João Lúcio tem recebido pacientes suspeitos de Covid-19 até que seja ampliado o número de leitos do Hospital Delphina Aziz e o Hospital da Nilton Lins entre em operação. Com a capacidade ampliada do Delphina e o reforço dos leitos do hospital de retaguarda, o João Lúcio ficará exclusivo para o atendimento de urgência e emergência para suporte da rede.”

De acordo com a a nota, todos os pacientes foram admitidos no hospital em estado grave. Oito dos mortos tinham idade acima de 60 anos e seis tinham comorbidades severas. “Todos os pacientes receberam assistência adequada e manejo clínico de acordo com as suas necessidades, medicação e oxigênio.”

Desde a semana passada, quando houve uma troca de secretários de Saúde, o governo do Amazonas parou de divulgar a taxa de ocupação das suas UTIs. Nesta semana, o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual entraram com uma ação na Justiça Federal para assegurar a divulgação de dados sobre a epidemia pelo governo estadual.

 

Fonte: O tempo