Conectado por

DJ90

Geral

Plano de combate à Covid-19 em favelas é entregue no Rio por pesquisadores e lideranças comunitárias

Publicado por

em

Pesquisadores e lideranças comunitárias entregaram ao governo do Rio de Janeiro e à Prefeitura da capital, um plano para combater a pandemia do novo coronavírus nas comunidades carentes cariocas. O documento traz 13 ações de prevenção, atendimento médico e apoio social para evitar novas infecções e reduzir o impacto da pandemia entre os moradores das favelas.

 

A entrega foi feita nesta sexta-feira (1º) de forma virtual, durante uma videoconferência com a participação dos pesquisadores, de moradores das comunidades e de representantes do governo do estado e da prefeitura.

 

Durante o encontro, o pesquisador da PUC- Rio, Marcelo Burgos, alertou para a necessidade de medidas urgentes.

 

As favelas do Rio têm como principal característica as construções irregulares, com aglomerações de moradias, e muitas pessoas sob o mesmo teto, realidade incompatível com as medidas de isolamento social.

 

Apenas nas comunidades reconhecidas como bairros pela prefeitura, já foram registrados mais de duzentos casos de Covid-19 e ao menos 30 mortes. A Rocinha, na zona sul, lidera o ranking, com 71 registro da infecção confirmados e oito mortes.

 

Um dos coordenadores do coletivo Rocinha Resiste, Leandro Castro, ressalta que o contexto de pandemia tende a acentuar ainda mais a desigualdade que já existe nesses territórios.

 

As ações de prevenção incluem alertas para a população sobre os riscos da doença e a necessidade do uso de máscaras; desinfecção das favelas; teleatendimento para tirar dúvidas e a atenção especial a possíveis propagadores do vírus, como mototaxistas.

 

Já nas ações de atendimento, figuram as propostas de criação de postos de atendimento exclusivo para covid-19, de espaços de quarentena assistida e de proteção às unidades básicas de saúde e assistência social.

 

Por fim, as ações de coordenação e proteção social incluem a racionalização dos equipamentos de saúde locais e apoio para agilizar sepultamentos.

 

* Com informações da Agência Brasil

Fonte: Ag. Brasil