Conectado por

DJ90

Nacional

Ministério convoca médico mineiro para Roraima, mas diz que não há transporte

Publicado por

em

Ao saber do edital de emergência por causa do novo coronavírus, o médico mineiro Gusthavo Cândido Alves, 27, pediu licença do trabalho, em Uberlândia, e se inscreveu para trabalhar com indígenas em Roraima, numa região que inclui o ponto mais setentrional do Brasil. No entanto, ao entrar em contato com o Ministério da Saúde, foi informado de que não há transporte disponível para o local onde deve servir.

A informação, recebida pelo telefone, contradiz as próprias regras do edital, segundo o qual o transporte dos profissionais é responsabilidade do Programa Mais Médicos. Mesmo assim, Alves tentou por conta própria voos para Boa Vista -todos cancelados.

Outra opção seria seguir por terra partindo de Manaus, mas o transporte rodoviário interestadual também está suspenso por causa das medidas de restrição social impostas diante da pandemia.

O médico foi o único convocado para trabalhar no Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) Leste Roraima, que tinha quatro vagas abertas e é responsável pelo atendimento a cerca de 51 mil pessoas, distribuídas em 342 comunidades.

A maioria fica na Terra Indígena Raposa Serra do Sol. O acesso, muitas vezes difícil, é feito via terrestre, fluvial ou aérea.

Até a última sexta-feira (10), o estado de Roraima registrava 75 casos e três óbitos. Entre os mortos estão um motorista do próprio Dsei Leste e um adolescente de 15 anos do povo ianomâmi, atendido por um Dsei à parte.

Apesar de não fornecer transporte, o Ministério da Saúde manteve a data de apresentação, em Boa Vista, entre a próxima quarta-feira (15) e o dia 24 deste mês. Caso não chegue a tempo, Alves será automaticamente excluído do programa.

Atualmente, o Dsei Leste dispõe de 15 médicos via Programa Mais Médicos, 7 a menos do que o número ideal em condições normais, sem considerar a pandemia. Além disso, segundo a reportagem apurou, os profissionais sofrem com a falta de EPIs (equipamentos de proteção individual).

O Dsei Leste atende a uma população considerada de alta vulnerabilidade devido às fronteiras com Venezuela e Guiana e à pouca estrutura de saúde.

Por conta própria, muitas comunidades indígenas já bloquearam vias de acesso como forma de se proteger da Covid-19. São sete povos na região: macuxi, wapichana, ingarikó, taurepang, sapará, patamona e wai-wai.

Procurado pela reportagem, o secretário da Sesai (Secretaria Especial da Saúde Indígena), Robson Silva, diz que desconhecia a situação de Alves, mas que buscará uma solução por meio de voo militar.

“Ele é uma pessoa importante neste momento, ninguém vai dispensar a mão de obra dele. É realmente [um problema] administrativo, porque não tem voo”, afirmou.

Sobre a atenção aos indígenas em Roraima, Silva diz que houve reforço via Operação Acolhida, administrada pelo Exército para a recepção de imigrantes venezuelanos. “Haverá leitos exclusivos para indígenas, então está sob controle em termos de pessoal, não tem nenhum desespero nesse sentido”, afirmou, por telefone.

Caso consiga se apresentar a tempo, o médico mineiro, que em 2018 trabalhou com saúde indígena no remoto noroeste do Amazonas, ficará no mínimo seis meses e no máximo um ano no Dsei Leste, com um salário cerca de um terço menor do que a renda que costuma ter em Uberlândia.

“Estou indo no ímpeto social”, disse Alves. “Estou deixando os meus pais, que estão no grupo de risco, aqui em Uberlândia, mas sei que aqui tem assistência, hospital, leito. Os que estão lá em Roraima não têm.”

Fonte: O tempo