Conectado por

DJ90

Nacional

Lyft surpreende com receita acima do previsto no 1º trimestre

Publicado por

em

A Lyft surpreendeu o mercado nesta quarta-feira com receita acima do esperado no primeiro trimestre e prometeu mais cortes de custos para tornar-se lucrativa, com o bloqueio imposto após o coronavírus nos Estados Unidos afetando a economia.

Os resultados do trimestre deram uma primeira pista sobre o impacto das medidas de isolamento social para combater a propagação do vírus em muitos dos maiores mercados do setor de mobilidade.

O resultado da Lyft serve de termômetro para o desempenho da rival maior Uber, que divulgará seu balanço na quinta-feira.

A Lyft não disse se manterá o objetivo de operar no azul numa base ajustada até o fim de 2021, mas que cortes de custos ajudarão no “caminho para lucratividade”.

A Lyft disse que a receita do primeiro trimestre aumentou 23%, para 955,7 milhões de dólares, bem acima dos 884,7 milhões da estimativa de analistas consultados pela Refinitiv.

A Lyft previa originalmente uma receita de aproximadamente 1 bilhão de dólares no primeiro quarto de 2020. Diferente da Uber, a Lyft opera apenas nos Estados Unidos e partes do Canadá, onde foram impostas muitas restrições à circulação no fim de março.

Enquanto a Lyft tenha se concentrado no transporte de pessoas, a Uber pode manter algumas receitas através do seu negócio de entrega de comida.

Os clientes nos Estados Unidos fornecem a maior parte da receita para ambas as empresas e as consequências mais prejudiciais para a indústria de transporte urbano por aplicativo são esperadas no segundo trimestre. A Lyft não deu uma previsão para o segundo trimestre.

O presidente-executivo da Lyft, Logan Green, disse que a empresa está preparada para enfrentar a crise. “Estamos respondendo à pandemia com um agressivo plano de redução de custos que nos dará uma despesa ainda menor e permitirá que saiamos mais fortes da crise”, disse Green.

A empresa disse ter 2,7 bilhões de dólares em caixa livre e que cortará cerca de 300 milhões em despesas até o fim do ano.

Fonte: Exame