Conectado por

DJ90

Nacional

Grupo que reúne Arezzo, Schutz, Alme e Vans anuncia aquisição de brechó online

Publicado por

em

Imagine um brechó com que pode reunir, ao mesmo tempo, Arezzo, Schutz, Anacapri, Alexandre Birman, Fiever, Alme e Vans. O grupo Arezzo&Co, responsável por essas marcas, anunciou, nesta sexta-feira (20), que adquiriou 75% do brechó online Troc, fundado em 2017, em Curitiba. 

Ação marca a entrada do grupo no mercado de second hand e deve atingir cerca de R﹩ 31 bilhões até 2029. Na startup de tecnologia, a venda das peças em sua plataforma fica a cargo do proprietário das peças de roupa e acessórios apenas o envio das peças pelos Correios ou agendamento para retirada em domicílio. Após a venda concretizada, a Troc fica com cerca de 50% do valor da peça e o vendedor com o restante.

A Troc vai ser  conectada à plataforma ZZ Mall, que já opera mais de 30 outras marcas de moda e acessórios.

“Dessa forma, os usuários terão benefícios mútuos para venda de peças de segunda mão e utilização dos créditos no site. Com os créditos recebidos pela venda de peças usadas na TROC, por exemplo, o usuário poderá comprar novos produtos no ZZ Mall, direcionar o valor para doação à instituições cadastradas na Troc, ou mesmo transferir o dinheiro para sua conta bancária” , explica o comunicado do grupo.

Com a ação,  clientes do  ZZ Mall poderão se desfazer de roupas que não usam mais e monetizar aquelas pessas que ficam ocupando espaço no closet.

“Somos uma empresa de DNA empreendedor, que vai alavancar empreendedores. A aquisição da Troc marca essa nova fase do grupo Arezzo&Co e, também, estamos expandindo nossa atuação para um dos segmentos mais relevantes da nova economia – a moda de segunda mão -, que além de ser um negócio consciente e de baixo impacto ambiental, é uma tendência global. Em sintonia com essa nova etapa, também oficializamos a criação do ZZ Ventures, nosso braço de corporate venture capital, que será responsável por avaliar novas oportunidades de startups disponíveis no mercado”, contou Alexandre Birman, CEO da Arezzo&Co.

Fonte: O tempo