Conectado por

Nacional

Francês acusado de injúria racial contra porteiro no Rio de Janeiro vira réu

O juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio, aceitou nesta sexta (15) a denúncia do Ministério Público e tornou réu o médico francês Gilles David Teboul. Ele é acusado de injúria racial, ameaça e agressão contra Reginaldo Lima, porteiro do prédio onde mora, em Copacabana, na zona sul da capital.

Segundo o porteiro, Teboul teria dito, no dia 26 de junho, que ele era “um negro, macaco”, após o morador chegar na portaria e verificar que uma das portas dos elevadores estava aberta – o que impedia o acionamento do equipamento em outros andares.

Além de receber a denúncia, o magistrado negou pedido da defesa para que o processo tramitasse em segredo de Justiça. Itabaiana não concordou com as alegações dos advogados do francês de que a divulgação do caso teria colocado a sua integridade física em risco.

Na mesma decisão, o juiz também negou autorização para que o réu viajasse para a França no dia 24. O médico havia alegado que teria de fazer tratamento de saúde e resolver assuntos pessoais.

O magistrado considerou “bastante estranho” que o réu só tivesse comprado uma passagem de ida, alegando que pretendia retornar ao Brasil. Foi enviado um ofício à Polícia Federal comunicando que o médico está impedido de deixar o país.

A denúncia do MP afirma que, além da injúria racial, o francês “segurou e apertou o pescoço do porteiro, além de desferir na vítima um tapa no rosto e socos pelo corpo”.

“Por fim, depois de o porteiro se desvencilhar de seu algoz, Teboul disse ‘se você for à delegacia fazer registro contra mim, eu te mato’, fugindo do local após prometer atentar contra a vida da vítima”.

Leia mais:

Justiça aceita denúncias de racismo e homofobia contra Nelson Piquet

Criadora de ‘Friends’ vai doar US$ 4 milhões porque série tinha poucos negros

Ao UOL, Reginaldo Lima, de 51 anos, afirmou que apenas pediu respeito e foi agredido: “Meu pedido por respeito foi uma ofensa para ele. Me agrediu, foi para a rua e voltou ainda mais revoltado”.

No depoimento que prestou na delegacia de Copacabana, no dia 7 de julho, o francês disse que “não xingou o porteiro e inclusive possui amigos negros”. (Folhapress)

Fonte: O tempo

Mais notícias