Conectado por

Nacional

EcoRodovias (ECOR3) contrata crédito de R$ 4,2 bilhões com BNDES e Banco da Amazônia

A EcoRodovias (ECOR3) comunicou ao mercado nessa segunda-feira, 18, a aprovação de linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco da Amazônia (BAZA3) que totalizam R$ 4,2 bilhões de reais.

As linhas de crédito da EcoRodovias são de longo prazo, com um prazo de vencimento marcado para setembro de 2051. O financiamento é composto por:

  • Debêntures incentivadas: Estruturados pelo BNDES e liquidados no dia 14 de julho de 2022, em um valor total de R$ 600 milhões e ao custo de IPCA + 6,66% ao ano e com vencimento em julho de 2051;
  • Financiamento BNDES: No valor total de R$ 3,1 bilhões, será pago conforme o andamento do cronograma das obras, ao custo de IPCA + 7,7% ao ano, e com vencimento em julho de 2051;
  • Financiamento Banco da Amazônia: Tem o valor total de R$ 461 milhões e assim como o financiamento do BNDES, será pago conforme o andamento do cronograma de obras, ao custo de IPCA + 2,51% ao ano, e com vencimento em julho de 2046.

O CEO da EcoRodovias, Marcello Guidotti, disse que o valor contratado será importante para a conclusão de projetos da companhia na próxima década.

“Estas linhas de crédito atendem às necessidades de financiamento previstas para a Ecovias do Araguaia e são consistentes com o nosso objetivo de redução do custo de capital. Combinado com a geração de caixa operacional esperada, asseguram que os recursos necessários para a realização dos investimentos da Concessionária estarão disponíveis conforme necessidade pelos próximos 10 anos”, afirmou Guidotti.

Resultados da EcoRodovias (ECOR3) no 1T22 

No primeiro trimestre de 2022, a EcoRodovias teve um lucro líquido de R$ 16,9 milhões, representando uma queda de 81,2% se comparado com o mesmo período no ano passado.

De acordo com a companhia, o resultado pode ser justificado pela queda do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida ajustado), que recuou 17,3% no primeiro trimestre numa comparação ano a ano, um total de R$ 475,8 milhões.

Por fim, a receita líquida ajustada da empresa de janeiro a março foi de R$ 769,6 milhões, uma queda de 8% se comparado com o mesmo trimestre em 2021.

Fonte: Exame

Mais notícias