Conectado por

Nacional

De roupas a passagens de ônibus: o que é possível comprar nos outlets

Por Bússola

Outlet, apesar da origem americana, essa palavra e forma de comercialização já foi incorporada aos hábitos e a realidade dos brasileiros. O conceito nasceu nos Estados Unidos na década de 30, quando fábricas de roupas e calçados vendiam unidades restantes no estoque a um preço mais baixo. Nos anos 70, nasceu o primeiro shopping center especializado no formato.

Aqui no Brasil, o primeiro outlet nasceu em 2009, denominado Outlet Premium São Paulo, reunindo marcas de grife em mais de 90 lojas, semelhante ao americano — verdadeiros shoppings centers com praça de alimentação e infraestrutura de lazer. Além dos espaços físicos, algumas empresas optaram por colocar em prática a estratégia de negócio especialmente em lojas virtuais. Isso permitiu também um aumento na variedade de produtos oferecidos por meio desse conceito. Agora, além de roupas e calçados de grife, já é possível comprar eletrodomésticos, brinquedos, decoração, perfumaria, artigos de viagem e até passagens de ônibus.

No setor de viagens, no caso passagens rodoviárias, chama a atenção do mercado a startup Outlet de Passagens, que tem como parceira empresas tradicionais do setor como a Auto Viação 1001, Catarinense, Cometa, Rápido Ribeirão e Expresso do Sul. Para tornar o modelo de negócio ainda vantajoso aos clientes e às empresas que aderirem a ele, a startup adotou, de forma pioneira no Brasil, o conceito denominado ‘tarifa opaca’, onde se escolhe um período de viagem, manhã, tarde ou noite, e recebe o horário exato da viagem e o assento após a confirmação da compra, no cartão de embarque digital. Os descontos aos passageiros podem chegar a 70%.

“A ideia é conectar clientes com maior disponibilidade de horário e empresas com assentos à disposição. Pelo lado do consumidor, o preço baixo e a garantia de viajar com empresas que são sinônimo de segurança e conforto são as vantagens. Já para as viações, o principal ganho é otimizar as poltronas vagas de cada veículo”, diz Daniel Limena, head do Outlet de Passagens.

Digitalização do setor e tendência dos outlets

Ter um outlet 100% digital vai ao encontro da tendência desse modelo de negócio no Brasil e o processo de digitalização que o transporte rodoviário vem sendo submetido. O movimento busca atrair e fidelizar um novo perfil de viajantes: a Geração Z.

De acordo com um relatório da Phocuswright sobre os comportamentos dos viajantes da Geração Z (nascidos entre 1995 e 2010), eles são os maiores adeptos à tecnologia. Além disso, estão sempre buscando formas de pagar menos por um produto ou serviço, muito em razão de possuírem renda menor em relação às demais gerações. Com uma linguagem simples, direta e objetiva, o Outlet de Passagens atende a todos esses requisitos.

Lançada em outubro de 2019, a startup que já possui parceria com empresas como Viação Cometa, 1001, Catarinense, Expresso do Sul e Rápido Ribeirão, já soma cerca de 200 mil bilhetes comercializados e gerou uma economia de mais de R$ 7 milhões a mais de 150 mil clientes.

“Nos últimos dois anos, tivemos um crescimento de 213% na venda de passagens, comparando com os mesmos períodos de 2019 e 2020 — mesmo com a pandemia. Em 2021, o crescimento foi de 70% em relação ao ano passado”, afirma Limena.

Protocolos de segurança

Quem comprar suas passagens de ônibus pelo pelo Outlet de Passagens, além da garantia de viajar com viações que são sinônimo de conforto, segurança e legalidade nas operações, também pode ficar tranquilo em relação aos cuidados contra a covid-19. São ônibus higienizados após cada viagem, utilizando produtos focados em eliminar bactérias e vírus, incluindo a vaporização interna para desinfecção de todas as superfícies. Testes de qualidade são aferidos periodicamente para assegurar um ambiente esterilizado e seguro. Na entrada dos veículos, há um dispenser de álcool em gel para higienização das mãos, além da obrigatoriedade do uso de máscaras durante toda a viagem.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

Fonte: Exame

Mais notícias