Conectado por

Nacional

Após denunciar transfobia, mineira Marcella Maia faz exame de corpo de delito

O caso de Marcella Maia repercutiu em grande escala na imprensa e nas redes sociais nessa última semana. A atriz, que estará no elenco da próxima novela da Globo, “Quanto Mais Vida Melhor”, veio a público nesta quinta-feira (23), relatar o caso de perseguição e agressão que sofreu em sua última viagem a Caraíva (BA). 

De acordo com a assessoria de imprensa  da atriz mineira, Marcella já está no Rio de Janeiro, onde retomará os trabalhos no set de filmagem da novela. Ela já realizou o exame de corpo de delito, na última sexta feira (24).  O advogado da cantora informa que o caso está sendo apurado e que as investigações serão conduzidas pelo Ministério Público.

Em suas redes sociais, ela denunciou as agressões sofridas, divulgando fotos que mostravam marcas pelo seu corpo. “Preconceito existe. Se cuidem! Sem chão, sem força. Tô viva!”, declarou em seu instagram.

Relembre o caso

Segundo a atriz, ela estava em uma festa de despedida de sua passagem por Caraíva, na Bahia, na madrugada do dia 22, quando foi intimidada por olhares de homens presentes no local. “Sentido-se insegura, decidiu ir embora, quando no caminho foi abordada por um homem que começou a agredi-la, jogou sua cabeça contra o chão, puxou seu cabelo, agarrou seus seios, como se quisesse arrancá-los e chegou a enforcar a atriz, enquanto gritava: ‘Você não é de Deus!'”, disse a nota publicada pela assessoria de imprensa.

Marcella conseguiu desvencilhar-se e correu até uma festa próxima, em busca de segurança em local público movimentado, porém, encontrou o modelo internacional Tauá Biral Moreira, morador da região, de quem ela afirma já ter sofrido discriminação, perseguições e ameaças em ocasiões de trabalho fora do país.

Nessa ocasião, Tauá a ameaçou de morte. Marcella também suspeita que a perseguição e violência física sofridas tenham sido incitadas pelo modelo.
O caso foi notificado, e um Boletim de Ocorrência foi registrado no dia 23, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Porto Seguro (BA), a 160 km do local do ocorrido.

Fonte: O tempo

Mais notícias